10 outubro, 2018

Eu tenho medo



Se você não é alvo, você não sente medo. Se você aceita tudo o que está acontecendo, eu fico triste e com medo. Se você acha que vai mudar para o melhor, eu tenho medo. Se você acredita que isso é a verdade, eu tenho medo. Tenho medo de tornar esse texto público.

Eu tenho medo. O segundo turno nem chegou e notícias de atos de ódio contra as pessoas, por serem elas, por vestirem na pele o que simplesmente elas são, enchem a minha timeline no Facebook. E eu, tenho medo. Se antes eu tinha medo de colocar o pé para fora de casa só porque eu não fazia parte da maioria, imagina agora. Eu tenho medo, e é por isso que eu dou um abraço e um beijo enorme na minha mãe quando vou para o trabalho, porque agora as chances aumentaram daquele beijo ser o último. Eu tenho medo, não só por mim, por outros. Não sou só eu o alvo, tem milhares, milhões de pessoas que se antes tinham medo agora tem mais.

Eu não sei o que vai acontecer com o nosso país, eu não sei se futuramente meu curso vai estar aberto ainda, não sei se a minha faculdade vai ser fechada, se eu vou continuar no meu emprego, se vão me privar de expor minha opiniões, se eu vou ter que fingir ser quem eu não sou, se eu vou ter que me controlar para não falar um "A" fora do padrão exigido. Eu não sei, e é por isso que tenho medo.

E eu venho tentando combater este medo, mas no meio das lágrimas é difícil. É difícil ver a verdadeira luz no fim do túnel. É horrível pensar que algo como isso possa acontecer. É difícil ver esperança, ainda mais para a gente que vai sofrer mais. É difícil ver saída, achar alegria, procurar calma, encontrar paz. E isso aumenta meu medo.

Mas eu sei que a luta está ai, e que a gente tem que revidar. Não com ódio, nem com violência. E sim com amor, conhecimento, fatos, história, com a nossa força. Eu sei que a gente pode se unir e acabar com o coiso, e mostrar que o Brasil tem jeito, e que a gente caminha para o melhor. Mesmo sabendo que o Brasil ainda está com passos atrás, porque as máscaras caíram nessas eleições. A maioria deste povo é preconceituosa, misógina, homofóbica, racista, xenofóbica. É sim, porque a gente viu. Mas creio que a gente dá a volta. E se vencer, tenho medo que isso aconteça, continuamos na luta para não calarem nossa voz. 

Eu tenho muito medo, muito medo mesmo. Até choro por conta desse medo. Mas eu tenho um resquício de esperança que tenta me mostrar que tem jeito, e eu vou segurar nela até o final, porque de nós não tiram a esperança de algo melhor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Totalmente Jovem | De arte, livros até reflexões © 2014-, Todos os direitos reservados. Design por Sadaf F K / Edson Lopes