01 junho, 2016

[Resenha] Assasinato no Expresso do Oriente - Agatha Christie

Viajando no luxuoso Expresso do Oriente, Hercule Poirot é abordado por Ratchett, um americano desesperado que teme pela própria vida. Efetivamente o pior acontece, e o sujeito é encontrado morto com 12 facadas em sua cabine. Então, o famoso detetive belga precisa pôr sua massa cinzenta para funcionar a fim de reunir as pistas que o levarão ao assassino. No fim, uma surpresa: depois de se debruçar sobre uma complicada trama que envolve mentiras e falsos indícios, Poirot apresenta não uma, mas duas geniais soluções para o crime.


Hercule Poirot entra num trem para seguir com sua viagem, a época do ano não é propicia para ter tantas pessoas dentro do trem, mas estranhamente o trem está lotado. Hercule enquanto está no trem começa a prestar atenção nas pessoas que estão no mesmo, uma coisa normal para ele. Só que Hercule num dia é abordado por Ratchett que conta que sua vida está em perigo, e que pagaria alto para que Hercule "cuidasse" dele. Hercule recusa.

Numa noite Hercule acorda com um barulho e uma campainha tocando. O barulho para mas a campainha continua até que quem a toca seja atendida. Na manhã Hercule descobre que a mesma pessoa que pediu para ele cuidar de sua vida foi encontrado morto com 12 facadas pelo corpo. A partir disso ele começa a pensar e calcular o passo do assassino(a), para que no fim ele descubra o que aconteceu.


Hercule agora investiga cada individuo do trem, afim de respostas para as perguntas que levarão ao fim do caso. Só que nada parece fácil, e ao ver de Hercule o assassino(a) calculou cada passo, para que tudo desse errado na hora que Hercule começasse a investigar. A história continua até quando tudo se resolve.




Eu extremamente adorei esse livro. Foi o segundo livro que eu li da Agatha Christie, e olha, eu quero ler mais. É impressionante como ela consegue manter o fluxo da história para que nada fuja do assunto, e que tudo no fim leve para o resultado da investigação.

Uma das coisas que eu mais gostei foi ver como ela conseguiu manter mais de 12 personalidades de pessoas diferentes sem perder a essência de cada um, mantendo uma história super real e chamativa. Chamativa porque o livro te prende do início até o final, e no final você para e pensa que as pistas estavam na sua cara.

Recomendo demais, e espero que vocês tenham gostado dessa resenha. Até sexta-feira, beijos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Totalmente Jovem © 2014-, Todos os direitos reservados. Design por Sadaf F K / Edson Lopes