30 junho, 2014

Poemas de Dominique (part 2)


Dominique nunca mais falou comigo depois daquele dia,
Que estranho antes eu sempre o via.
Agora nem barulho no seu quarto tem,
Parece que Dominique fugiu. Logo escutei o trem.

Dominique fugiu?
Corri para a estação, pedi um bilhete.
E entrei no vagão.
Senhor que aflição, cadê Dominique?

Vejo cada rosto, que medo.
Um rosto mais estranho do que o outro, que medo.
Mas todos parecem ser como o Dominique, que medo.
Agora todos desapareceram e só vejo uma sombra no ultimo vagão.
E agora mesmo estou morrendo de medo.

Fui para perto dessa sombra,
Quanto mais me aproximo,
Mas ela se afasta.
Mas que praga!

Corri para tentar pega-lá,
Mas quando encostei nela,
Parecia o vento da colina, frio, sem amor, como se fosse a pior coisa do mundo.
E quando eu tirei minha mão de lá, ela esquentou tanto que parecia uma vela.

Será que eu estou louco?
E não existe Dominique?
E agora para onde esse trem vai?
Por que essa coisa insiste?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Totalmente Jovem © 2014-, Todos os direitos reservados. Design por Sadaf F K / Edson Lopes